Loading...

BEM VINDOS!


domingo, 1 de janeiro de 2012

Complicações em lipoaspirações


Contornos Irregulares


GARGAN e COURTISS (1984) definem os contornos irregulares do pós-operatório como seqüelas indesejáveis da lipoaspiração, pouco menores do que uma complicação verdadeira. Para NING CHANG (1994), os contornos irregulares pós-lipoaspiração são efeitos indesejáveis de superfície, incluindo depressões, ondulações, chanfros, excesso de pele e protuberâncias no contorno que podem distinguir-se visualmente e que não se misturam facilmente à superfície próxima. A lipoaspiração por se constituir em uma técnica invasiva, representa uma agressão que provoca uma reação em cadeia em todo o sistema de defesa do corpo. O organismo entra em ação, enviando para o local agredido, células especializadas para combater a infecção, como leucócitos, linfócitos, macrófagos, entre outros. Vão para o local também as plaquetas, cuja função é vedar os locais que foram invadidos pela cânula.

O organismo libera fibrina, que é uma proteína polimerizada insolúvel, que forma uma rede de fibras ao redor das plaquetas que se fixaram nas bordas do ferimento umas as outras. A rede envolve-se nas células sangüíneas e se contrai, expulsando o soro e deixando o coágulo mais ou menos sólido (nódulos). Desta forma, quanto maior a quantidade de gordura retirada, maior será a agressão e, conseqüentemente, maior será a reação do organismo. Neste caso, tem início um processo de cicatrização irregular, que tende a formar uma fibrose subcutânea, fazendo aderências que prendem a pele ao músculo. As depressões, ondulações e assimetrias, em alguns pacientes, ficam visíveis logo na primeira semana, em outros, após duas ou três semanas devido ao edema. À medida que este vai sendo eliminado, as irregularidades da cicatrização começam a aparecer. Poucos são os casos de cicatrização irregular, e para estes podem ser empregadas técnicas corretivas que vão desde a correção cirúrgica até a utilização de recursos estéticos como a drenagem linfática, entre outros.




Contorno Irregular - Depressão


A retirada em excesso de gordura no procedimento cirúrgico ocasiona a depressão. Para esta complicação, GINGRASS (1999) explica que o tratamento consiste em enxertar um pouco de gordura na área deprimida, no mesmo momento em que se realiza a cirurgia ou uma lipoaspiração na área em volta da depressão para camuflá-la. Em depressões pequenas pode ser feita a subcisão para soltar a área de retração subcutânea.








Contorno Irregular - Saliência
A saliência é a sobra de gordura detectada após o ato cirúrgico, ou seja, acúmulos adiposos não removidos na cirurgia inicial. GINGRASS (1999) explica que a revisão da lipoaspiração nas áreas com resíduos de gordura deve ser realizada, de preferência, após o inchaço ter desaparecido completamente, em torno de seis meses.

 
 

Hiperpigmentação Cutânea Causada Pela Lipoaspiração

Segundo MATEU e HERNANDEZ (1997) as complicações causadas pela lipoaspiração, chamadas equimoses cutâneas, mesmo após desaparecerem, deixam seqüelas que podem piorar com os efeitos do sol sobre a pele na falta de proteção. Os autores enfatizam ainda que a pigmentação anormal pode ser causada por lesões pigmentares; lesões pigmentares adquiridas; dermatoses com hiperpigmentação; administração de drogas enterais ou distúrbios sistêmicos. Afirmam também que a hiperpigmentação pode resultar da longa exposição ao calor, fricção, arranhões, atritos e pressões sobre a pele, ou pela administração intramuscular de ferro cuja conseqüência é um depósito nos tecidos e que eventualmente se estendem através do sistema linfático, mas parece não haver possibilidade de ser causada por ferroterapia oral. Enfim, as causas de hiperpigmentação que decorrem da lipoaspiração são multifatoriais. A mais comum é por depósito de hemossiderina, um pigmento encontrado nas células sangüíneas. O tratamento consiste em peelings com produtos despigmentantes e clareadores.






Considerações Finais


A partir do advento da lipoaspiração, o contorno do corpo tornou-se um dos procedimentos cirúrgicos estéticos mais comuns. Entende-se por complicação, resultados não satisfatórios obtidos a partir de cirurgia, tanto no plano estético como no funcional. As complicações em lipoaspiração identificadas neste estudo foram os contornos irregulares do tipo saliência e depressão, hiperpigmentação, flacidez e quelóide. Pelas queixas dos pacientes, notou-se que em sua maioria, correspondem a problemas de assimetria.
O contorno irregular – saliência pode ser explicado em razão de que ao proceder a sucção o cirurgião opta pela retirada de uma quantidade menor de gordura, uma vez que é mais fácil realizar a correção, ou retoque através da adoção de um procedimento secundário.

Por meio dos resultados da investigação é possível afirmar que o sucesso da maioria das cirurgias de lipoaspiração se deve à habilidade técnica do cirurgião, ao uso do instrumental adequado e aos cuidados pré e pós-operatórios. Sendo que a relação médico-cirurgião paciente é uma das variáveis que contribuem para o êxito da lipoaspiração. 





Detectou-se também, por meio da investigação que os cuidados pré-operatórios, tais como uma criteriosa anamnese seguida de exames físicos e laboratoriais mostraram-se eficientes evitando o risco de complicações no pós-operatório. Com relação à técnica cirúrgica os passos atendidos corresponderam a: demarcação das áreas alvo, sedação endovenosa; antisepsia; infiltração de solução anestésica; posição na mesa cirúrgica, sutura; drenagem linfática e curativo.
 


De outra forma, a clínica, ofereceu as condições adequadas para realizar cirurgias de lipoaspiração uma vez que adota as normas técnicas de controle de infecção hospitalar as quais reduzem sobremaneira os riscos de infecção. Destaca-se que a cirurgia de lipoaspiração é eficiente para a gordura localizada, portanto, não é um tratamento de obesidade. Assim sendo, a lipoaspiração deve ser evitada em pacientes com Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 30%; nestes casos recomenda-se um regime ou dieta calórica até alcançar o peso ideal. A lipoaspiração é um ato cirúrgico e deve ser vista na sua forma mais complexa para resultar em êxito. Os aspectos importantes a serem considerados são: avaliação do contorno corporal como um todo; planejamento rigoroso da cirurgia, informando o paciente sobre as possibilidades e limitações da lipoaspiração; cuidados que permitam eficiência ao aspirar a gordura, evitando causar depressões (lipoenxertar quando for o caso); tratar a pele como uma estrutura viva que pode ser remodelada, atentando para a sua vascularização; usar de rigor absoluto nos curativos; recomendar e exigir a utilização de cinta com função remodeladora por três meses no pós-operatório; incentivar a paciente a praticar exercícios e promover uma mudança de hábitos alimentares.



FONTE: 
Texto - http://www.biomedestetica.com.br/2011/12/complicacoes-em-lipoaspiracoes.html?spref=fb
Imagens e vídeo: Internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe neste espaço seu comentário!

Quem sou eu

Minha foto
Pinheiral, Rio de Janeiro
Terapeuta Holística residente em Pinheiral.Diretora do ESPAÇO SO HAM DE TERAPIA HOLÍSTICA. Comprometida com todas as formas de terapias complementares e energéticas.
Ocorreu um erro neste gadget